Marina Ruy Barbosa adianta detalhes da nova fase na profissão e vida pessoal

Marina Ruy Barbosa em campanha para a Colcci (Foto: Divulgação)Marina Ruy Barbosa em campanha para a Colcci (Foto: Zee Nunes)

Com o fim de Deus Salve o Rei, em que interpretou Amália, Marina Ruy Barbosa irá sair de férias. Mas não por muito tempo, porque a atriz já está escalada para a próxima novela das 9h, O Sétimo Guardião, que substutuirá o Segundo Sol.

Nesta semana, surgiram notícias de que Marina deve mudar radicalmente o visual e ficar loira para dar vida à protagonista Luz da Lua. “Não posso estregar a surpresa”, disse a atriz, fazendo mistério, nos bastidores do shooting da campanha de verao 2019 da Colcci, que faz homenagem à arte brasileira com referência ao realismo fantástico, e conta também com Cauã Reymond.

A seguir, a atriz fala mais sobre o novo trabalho, em que fará par romântico com Bruno Gagliasso, e faz um balanço do seu primeiro ano de casamento com o piloto de stock car Xandinho Negrão. 

Você é a estrela de uma campanha de primavera-verão. Quais são seus itens indispensáveis para a temporada?
No verão, menos é mais. Gosto de vestidos e blusas de tecidos leves e naturais, como algodão, e, claro, óculos de sol. É um momento que gosto de apostar em cores e estampas, principalmente as que remetem ao tropical. O protetor solar é também indispensável – em qualquer época.

Agora com o fim de Deus Salve o Rei, você vai sair de férias? Se sim, vai viajar?
Sim, viajo hoje! Vai ser um período curto, mas vai dar para descansar. E eu sou daquelas que descansa trabalhando [risos].

Saíram notícias de que você deve mudar radicalmente o visual para a próxima novela das 9h, O Sétimo Guardião. Pode nos adiantar o que fará no cabelo?
Só saberemos quando a caracterização estiver pronta. Não vou estragar a surpresa.

Marina Ruy Barbosa posa para a Colcci (Foto: Divulgação)Marina Ruy Barbosa posa para a Colcci (Foto: Zee Nunes)

Você fará par romântico com o Bruno Gagliasso, que é seu amigo próximo. Está animada em trabalhar com ele? Essa será a primeira vez que vão atuar juntos?
Ele é um superparceiro! Já rodamos o longa Todas as Canções de Amor e o resultado está lindo. Já já chegará aos cinemas.

Você completa um ano de casada em outubro. Que balanço faz do seu casamento neste primeiro ano?
Estou muito feliz! Sou grata por ter encontrado uma pessoa como o Xande, que me traz para o eixo, me ajuda a ter equilíbrio. É o meu grande amor.

Sabemos que você tem uma rotina de trabalho supercorrida, mas tem seus momentos “dona de casa” para organizar suas coisas, cozinhar…?
Quem não gosta de cuidar do seu cantinho, do seu lar? E eu adoro decoração, arquitetura. É arte e me inspira. Sobre a culinária… um dia eu chego lá!  

Marina Ruy Barbosa e Cauã Reymond em campanha para a Colcci (Foto: Zee Nunes)Marina Ruy Barbosa e Cauã Reymond em campanha para a Colcci (Foto: Zee Nunes)Marina Ruy Barbosa e Cauã Reymond em campanha para a Colcci (Foto: Divulgação)Marina Ruy Barbosa e Cauã Reymond em campanha para a Colcci (Foto: Zee Nunes)

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Notícias Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus SPNEWS O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Negras empreendedoras: a empresária que desenvolveu maquiagem para negras

Rosane Terraggo (Foto: Divulgação)Rosane Terraggo (Foto: Divulgação)

Já comentei aqui como é comum no Brasil mulheres negras se queixarem da ausência de cosméticos que se encaixem no seu padrão estético, mas isso não impediu Rosane Terraggo de criar uma série de produtos acessíveis para diferentes tonalidades de mulheres negras. Segundo ela, a inspiração veio da própria maquiagem usada por Michelle Obama. Depois de escutar que existia a marca Black Opal com bases de 8 dólares e que a ex-primeira dama usava esses produtos no seu dia a dia, Rosane entendeu que precisava de algo parecido na loja que já administrava. Então criou sua própria linha de Divas Bllack, com bases para mulheres negras de diferentes tons a preço super acessíveis.

Sua ideia, que parece simples hoje, vai além: há pó translúcido, sombras, iluminador, gloss e pigmentos. Ela investe no marketing pelas redes sociais, ampliando cada vez mais a dimensão dos seus negócios para além da região sul do país. Por esses motivos Rosane é nossa entrevista para nossa série #negrasemprendedoras.

O que te motivou a se tornar uma emprendedora?
Rosane Terraggo:
Casei e fui mãe muito cedo, aos 17 anos, por isso concluí o ensino superior um pouco mais tarde. Os estudos na Unisinos, no Rio Grande do Sul,  fizeram com que ficasse um pouco distante do meu primeiro filho, hoje com 27 anos. Me formei em 2002 e para me especializar na profissão, fiz quatro pós-graduações. Uma delas foi em administração em marketing pela ESPM. Mas percebi que a história de estar longe da família estava se repetindo com minha filha. Por isso, decidi em 2014 me tornar empreendedora.

E como sua empresa, o Território da Beleza PoA, surgiu?
RT:
O Território nasceu em junho de 2014 como franquia de uma marca. Neste modelo de negócio me senti muito amarrada, porque os franqueadores não queriam investir em marketing, preferiam a contratação de  revendedoras de porta a porta. Mas este não era meu objetivo. Confesso que fiquei bastante frustrada, porque a franquia é do Nordeste e lá eles são fortes. Mas no Sul precisei convencer as pessoas de que os produtos eram muito bons e de que os valores estavam na média do mercado. Depois, passei a usar as redes sociais para apresentar os cosméticos ao público e mostrar clientes comprando. Conforme o tempo, percebi que não precisava mais estar por trás de uma marca apenas, mas poderia comercializar bons produtos de várias empresas. Pesquisei o que estava fazendo sucesso e que tinha um bom preço. Nosso grande diferencial, hoje, é que além de vender, ensinamos a cliente a usar o que está comprando. Damos uma consultoria de beleza e elas adoram. Foi assim que começamos a crescer.

Qual foi o maior desafio para se consolidar como empreendedora?
RT:
A ideia do Divas Bllack surgiu pela necessidade de haver produtos específicos para a pele negra. No início, também trabalhávamos com produtos para cabelos crespos e cacheados, nos tornando referência na região. Além disso, decidimos vender somente marcas que oferecem no catálogo ao menos um produto para a pele negra. Mesmo assim, não conseguimos atender todas as mulheres. Eu mesma tentava fazer a maquiagem delas. Sempre testamos as bases nas clientes que se dispõem a esta experiência, especialmente com aquelas que não conhecem seu tom de pele (e são muitas!) Apesar de a loja física ter somente 20m², fazemos muito barulho na internet com cursos, workshops. Foi assim que comecei a ganhar reconhecimento e credibilidade de diretores de grandes marcas. Procurei um deles para sugerir a criação em sua empresa de uma linha de base para vários tons de pele negra, pois muitas clientes se sentiam excluídas por não encontrarem um produto adequado. A princípio ele se empolgou e informou que iria se reunir com sua sócia. Em seguida, tive o retorno de que não era o momento de segregar as pessoas, então não seria correto criar uma linha somente para negras. Confesso que fiquei intrigada com a resposta, porque o conheço e não parecia ser preconceituoso. Então, olhei pra ele e me dei conta de que sendo branco de olhos claros ele não poderia compreender nossa dificuldade. Decidi desenvolver eu mesma esta linha. Em um curso sobre pele negra ouvi a especialista falar sobre uma base americana chamada Black Opal e que a então primeira dama Michelle Obama usava e recomendava, porque era um excelente produto e custava em torno de $8,00, ou seja, acessível. Eu entendi que era isso que eu queria, uma base de qualidade, que coubesse na bolsa e bolso das minhas clientes. Então foi a hora de convencer meu marido e sócio Carlos Alberto Regio Terragno a investir junto nesta linha.

Qual o diferencial dela para as grandes marcas que já estão vendo esse como um público alvo?
RT
: A Divas Bllack tem a tecnologia de color adapt que se adapta ao tom da pele sem acinzentar. A base foi desenvolvida por uma especialista em pele negra, contratada para nos auxiliar a entender os tons das negras brasileiras. Criamos bases que respeitam os fundos amarelos, neutro, oliva e azulados. A principal diferença com relação às grandes marcas é que as redes sociais são nosso maior marketing.

Qual sua principal inspiração para essa linha?
RT:
A Divas Bllack tem seis tons de bases para pele negra brasileira como carro chefe e as cores tem nomes de mulheres importantes na minha vida por ordem de cor: Rafaella é nome da minha filha (foi por ela que tudo começou), Rosane é o meu nome, Tais inspirada na Tais Araújo. Fui ver a peça “O Topo da Montanha” e me emocionei demais. Assim como a personagem também quero fazer a diferença na vida das pessoas. Conheci a Tais e ela me encoraja nesse sonho. A cor Duda é inspirada em uma influenciadora digital gaúcha, @negraecrespa, uma grande amiga e uma pessoa a qual admiro muito. A Duda está junto com a Divas desde  o início, ajudando em tudo. Sempre conversamos e a nossa afinidade é total, porque concordamos que a Divas Bllack é mais que um produto para vender, é um projeto de vida, é valorizar a beleza da mulher negra. A Duda também é uma grande inspiração e exemplo de uma grande mulher, pois como ela mesma diz; “tive o privilégio de ter uma família com melhores condições, sempre estudei em colégio particular, sou muito amada, mas tenho o compromisso com a minha raça, de mostrar o que realmente acontece, e ser uma inspiração para estas mulheres”. Maria é o segundo nome da minha mãe, ela simplesmente fez a mulher que sou hoje, é em homenagem a ela e a todas as Marias do Brasil e, Dandara, nossa guerreira quilombola.

Como você acredita que a maquiagem auxilia no processo de empoderamento de mulheres negras?
RT:
Acho que toda a mulher tem força e poder. Acredito que a mulher negra acaba “tendo que ter” um poder ainda maior, por todo o nosso histórico. O que eu vejo é que a maquiagem é aquele botão que lembra a cada uma nós, o nosso poder. Eu ainda atendo na loja em Porto Alegre, então já vi uma simples maquiagem operar milagres em uma mulher que está tendo um dia ruim ou que está passando por um momento difícil. Elas se olham no espelho e até o olhar modifica, a postura é realmente uma força que vem de dentro.

Sendo uma empreendedora negra, qual sua dica para outras mulheres, em especial afrodescendentes, que querem empreender?
RT:
O momento é este. Nós negros não aceitamos mais ficarmos invisíveis, estamos buscando nosso espaço. Então sim, queremos produtos e serviços específicos para nossa pele e raça, e temos dinheiro para pagar por eles. Hoje sou uma mulher muito realizada, porque estou colocando em prática meus sonhos. Não é nada fácil, ouvimos muitos nãos, muitas portas se fecham, muitas pessoas próximas duvidam e até torcem contra.  Mas tem uma conta que sempre fecha. Sonhar mais trabalhar é igual a realizar, então sonhe com algo que você ama fazer, trabalhe muito neste projeto e o torne realidade. As redes sociais são grandes aliadas, e ainda são ferramentas gratuitas. E Gratidão sempre!

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Produtos à base de prebióticos são a chave para cuidar de pele sensível

 (Foto: ThinkStock) (Foto: ThinkStock)

A oftalmologista Ana Carolina Guimarães Vian, de 41 anos, sabe há pelo menos 25 o que é ter sensibilidade cutânea. Dona de uma pele aparentemente normal, sem nenhum problema dermatológico grave ou acentuado, ela começou a observar que durante o inverno ficava com a pele mais avermelhada e com sensação de ressecamento. Decidiu procurar a ajuda de um especialista.

“Eu não podia usar qualquer produto na pele que ela ficava irritada, descascando e com uma sensação de aspereza. Costumava sentir esses sintomas após banhos quentes também”, comentou Ana Carolina, que investigou junto com a dermatologista alguns ativos que ela usava e que aumentavam sua sensibilidade. “Descobrimos que ácido retinóico, glicólico, e demais produtos ácidos irritavam demais, não posso de nenhuma maneira. Como não uso muita maquiagem, ainda não tive problemas com esse tipo de cosmético”.

Uma vez feito o diagnóstico, Ana Carolina iniciou a busca por produtos que aliviassem os sintomas e não piorassem o quadro. O foco ficou nos cremes que continham água termal na fórmula. “Fui testando linhas de tratamento para pele sensível até achar a que não causasse irritação, pois mesmo alguns produtos direcionados para o meu problema causavam irritação na minha pele”.

Desde então, os cuidados de Ana Carolina se resumem a lavar o rosto com sabonete para pele sensível e hidratar a pele duas vezes ao dia. Essas foram as medidas recomendadas pela dermatologista Paola Costa, da Clínica Unire.

“Não existe uma regra, mas sempre que se higieniza a pele, seja pela manhã, após o banho, ou antes de dormir, é preciso passar o hidratante. Ao longo do dia, se sentir a pele ressecar, pode e deve reaplicar o produto”, explica a especialista, que faz questão de pontuar que pele sensível não é um tipo e sim, um estado. “Pessoas com pele mista e oleosa podem ter sensibilidade também, assim como quem tem a pele seca pode não apresentar essa característica”.

Como contou antes Ana Carolina, Paola Costa reforça que sensibilidade em relação ao frio, a produtos convencionais, sentir a pele do rosto mais fina, com vermelhidão e até mesmo descamação são sintomas que indicam este estado de pele sensível. Esses fatores se intensificam no inverno, explica a dermatologista:

“Além do aumento da quantidade de banhos quentes, o clima, muitas vezes seco, piora a sensação, além da variação grande de temperatura. E quanto mais seca a pele fica, mais sentirá o efeito colateral”, pondera a especialista, que reitera que nesses casos o ideal é ficar longe de produtos que contenham ácidos.

Por outro lado, opções dermatológicas específicas para pele sensível, principalmente aquelas sem grandes quantidades de produtos químicos, com ativos mais naturais, podem ser testados sem moderação.

“Eles costumam ser menos agressivos, devolvendo o equilíbrio natural da pele. O Toleriane Sensitive, da La Roche-Posay é um ótimo exemplo de hidratante para pele sensível. Não tem excesso de ativos químicos, tem 73% de água termal em sua composição, o que já acalma essa pele, e tem prebióticos, o que deixa ele ainda melhor. Isso porque este componente estimula a proliferação das bactérias do bem, fornece substratos para a microbiota da pele, ajudando a equilibrar a região cutânea”, ensina a especialista Paola Costa, que faz questão de reforçar que o cuidado começa no momento de limpar a pele:

“Neste caso, o ideal é primeiro lavar com o Toleriane Cleaning Wash, porque este produto promove a limpeza sem agredir a barreira cutânea. Ele, inclusive, funciona como demaquilante, sem ativar a sensibilidade. E logo após a higienização, hidratar”.

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Quem é Camila Morrone, nova namorada de Leonardo DiCaprio

Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)

Leonardo DiCaprio tem fama por namorar modelos – de preferência bem mais novas do que ele. O novo affair do ator foge ao que parece ser regra: a escolhida da vez é a argentina Camila Morrone, de 21 anos que é também, claro, modelo. 

Apesar de ter começado a carreira nas passarelas, Morrone também é atriz, como seus pais, Massimo Morrone e Lucila Solá e o padrasto, que é ninguém menos que Al Pacino. Morrone nasceu em Buenos Aires e hoje mora em Los Angeles, onde começaram os boatos de que ela estaria namorando Leonardo DiCaprio.

Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)

Em dezembro, os dois foram vistos fazendo compras juntos e negaram o romance. Três meses depois, o par foi visto novamente, e muito mais publicamente, passeando por West Hollywood de braço dado, com Morrone beijando o ombro de DiCaprio. Nos últimos dias os dois tem sido fotografados no maior carinho e passando férias juntos em iate na costa francesa. 

Victoria’s Secret

Gisele, Toni Garrn, Nina Agdal… DiCaprio tem uma preferência por tops que passaram pelas passarelas da Victoria’s Secret. Com Camila não foi diferente. A carreira de modelo da argentina começou em 2016, quando ela topou posar para um catálogo da marca de lingerie. No mesmo ano ela desfilou para a Moschino e foi capa da Vogue turca além de ter ganhado um cobiçado espaço no calendário do advento da revista LOVE. No entanto, Morrone está mais interessada em seguir carreira nas telonas. 

Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)Camila Morrone (Foto: Reprodução/Instagram)

Cinema

Camila apareceu em My Own Private River, documentário que James Franco fez em 2012 em tributo a Joaquin Phoenix, assim como em seu filme Bukowski de 2013, estrelado por Josh Peck. Neste ano, Morrone ainda aparecerá em um filme dirigido por Augustine Frizzell intitulado Never Goin ‘Back, que estreou nos festivais de Sundance e no SXSW — o filme virá na esteira de Death Wish, longa que foi lançado neste mês nos EUA e a mostra dividindo a tela com pesos pesados como Bruce Willis.

Ela é enteada de Al Pacino

E foi assim que ela teria conhecido DiCaprio. Aparentemente, o ator e a modelo se conhecem há mais de 10 anos e são “antigos migos de família”. Al Pacino é namorado da mãe de Camila, a atriz e modelo de 42 anos, Lucila Solá. 

E Leonardo DiCaprio não é o único fã de Camila. Com mais de um milhão de seguidores no Instagram, a bela é amiga de colegas de profissão como as top models  Kendall Jenner e Bella Hadid. 

Camila Morrone (Foto: Getty)Camila Morrone (Foto: Getty)

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Isabelle Drumond aproveita feriado para se “exercitar”

Isabelle Drumond (Foto: Reprodução/Instagram)Isabelle Drumond (Foto: Reprodução/Instagram)

Isabelle Drumond ainda não está de volta as telinhas, mas isso não impede ela de ficar conectada com seus fãs. Neste feriado, ela brincou de praticar ballet ao livre, mostrando toda sua flexibilidade com um sorriso de orelha a orelha.

“Ballet ao ar livre”, escreveu na legenda da publicação de uma das fotos.

Isabelle Drumond (Foto: Reprodução/Instagram)Isabelle Drumond (Foto: Reprodução/Instagram)

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Kim Kardashian é acusada de plágio em seu novo perfume

Kim Kardashian (Foto: Reprodução/Instagram)Kim Kardashian (Foto: Reprodução/Instagram)

Kim Kardashian está sendo acusada de plágio em seu mais novo perfume, que ainda não tem nome, mas já possui modelo de frasco: seu corpo nú. A polêmica surge apenas dois após ela ser capa da Busness of Fashion, importante públicação no mundo da moda, onde o repórter responsável pela entrevista afirmou que o verdadeiro e maior talento da americana é ser uma mulher de negócios. Sua marca de maquiagem KKW, mais os seus outros perfumes da KKW Fragrance, gereram um lucro de U$100 milhôes de dólares neste último ano.

Quem cutucou a ferida da Kardashian m foi o Instagram especialziado em moda Diet Prada, conhecido por desmascarar e irritar estilistas apontando seus erros. Na publicação, foi escrito: “Ok, então a versão final do frasco da nova @kkwfragrance ainda não saiu, mas existe alguma dúvida sobre como ele será? KK está deixando literalmente muito pouco para imaginação. Nós vemos mais do que algumas sombras/inspiração do frasco icônico do “Classique”, perfume do @jeanpaulgaultier… Que por sua vez é uma “versão” do perfume “Showckink”, do @schiaparelli, lançado em 1937 – que na época literalmente foi chocante com seu frasco vestido, baseado na famosa Mae West. É uma batalha de corpos?”

Kim Kardashian (Foto: Reprodução/Instagram)Kim Kardashian (Foto: Reprodução/Instagram)

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Selva Almada critica peso da religião em legalização de aborto no Brasil

Mulheres argentinas vão às ruas para protestar pela legalização do aborto no país (Foto: Getty Images)Mulheres argentinas vão às ruas para protestar pela legalização do aborto no país (Foto: Getty Images)

“Educação sexual para decidir, anticoncepcionais para não abortar, aborto legal para não morrer”. Foi sob essas palavras de ordem que 129 deputadas e deputados argentinos aprovaram a descriminalização do aborto no país.

Em votação acirrada, indefinida até os últimos minutos, o projeto de lei que defende a legalização da interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana passou pela Câmara dos Deputados, em Buenos Aires, e agora segue para o Senado. “Havendo aprovação no Senado, existe uma terceira instância, a sanção presidencial. O presidente Mauricio Macri já se pronunciou publicamente dizendo que não iria exercer seu direito de veto, mas não há como ter certeza até o fim do processo todo”, explica a advogada argentina Ana Casarin.

Macri tem dez dias para vetar. Se não o fizer, a lei deve ser publicada no Boletim Oficial e, se não for estipulado um prazo diferente no próprio texto, ela passará a ter vigência oito dias após a publicação. “Porém, para o efetivo exercício do direito, para que as mulheres possam ir na rede pública e ter acesso ao aborto num hospital público, de maneira gratuita e segura, a lei ainda precisa ser regulamentada”, esclarece Ana.

Em entrevista, a escritora argentina Selva Almada, que se opõe ao atual governo, disse que Macri fez o que qualquer governante deve fazer: colocar suas crenças pessoais de lado, abrir o debate, permitir que os cidadãos se pronunciem e que os legisladores trabalhem. “Não sei quais são suas razões mais íntimas, e também não me importo. Há algumas horas, 129 deputados votaram a favor da legalização do aborto graças à luta das mulheres nas ruas.”

Uma das convidadas da Feira Literária de Paraty (Flip) deste ano, Almada é autora do livro do livro Garotas Mortas (ed. Todavia, 128 págs., R$ 40,90), investigação sobre três feminicídios que ocorreram na Argentina logo após a redemocratização do país.  

A escritora argentina Selva Almada (Foto: Divulgação)A escritora argentina Selva Almada (Foto: Divulgação)

Mortes maternas

“A clandestinidade mata”, pontuou a deputada argentina Victoria Donda Perez na defesa de seu voto. Seu pensamento é amplamente difundido entre as mulheres do país, que fazem questão de reforçar que essa batalha já vem sendo travada há anos. “Nos últimos meses, o debate se deu aos gritos, em voz alta, mas não começou agora. Podemos dizer que agora tomou a sociedade. Todos e todas nos animamos a falar de algo que era um segredo aberto: o aborto existe, são 500 mil por ano, a questão é descriminalizá-lo”, defende Almada.

Segundo a Anistia Internacional, o aborto é a principal causa de morte materna (quando mulheres morrem durante ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou localização da gravidez) em 17 das 24 províncias argentinas.

“Apesar de a geração da vida exigir duas pessoas, os ônus da gravidez recaem única e exclusivamente sobre a mulher”, diz a advogada Marina Ganzarolli, fundadora da rede feminista de juristas deFEMde. A descriminalização da prática traria a “melhora dos índices de mortalidade materna e dos indicadores gerais de saúde sexual e reprodutiva das mulheres.”

Do lado de cá da fronteira

No Brasil, o aborto é crime para o qual existem três exceções: quando há risco de morte para a mãe, quando a gravidez é decorrente de estupro e em casos de feto anencéfalo. “Duas delas são legais, escritas no código penal. A terceira foi conquistada por jurisprudência, por decisão do Supremo Tribunal Federal”, explica Marina.

Todas as outras possibilidades são criminalizadas. “Isso faz com que agentes de saúde, médicos e enfermeiros tenham receio de realizar o procedimento, inclusive em casos legais. Muitos alegam objeção de consciência e não garantem a lei. Em alguns estados, essa é a primeira causa da morte materna, como por exemplo na Bahia, que é o estado com mais mulheres negras no Brasil.”

“O aborto já existe para mulheres brancas com privilégios econômicos. Então, quando a gente fala de direito ao aborto, fala de direito à vida”

Para ela, a questão ainda vai além da saúde pública e recai na liberdade e autonomia sobre o corpo. “Um dos mitos que envolvem o debate é que a legalização geraria um aumento no número de procedimentos, o que é a maior falácia do universo. Países que legalizaram o aborto e têm extensas pesquisas baseadas em evidências viram o número cair”, pontua.

Diferentemente da Argentina, pesquisas apontam que o tema do aborto divide opiniões entre a população brasileira, mas a maioria ainda é contra. Um levantamento do Latinobarômetro de 2015 aponta que 50,3% dos brasileiros defendem que o aborto “nunca é justificável”.

Brasileira também protestaram pelos direitos das mulheres em setembro de 2017 (Foto: Getty Images)Brasileira também protestaram pelos direitos das mulheres em setembro de 2017 (Foto: Getty Images)

Selva Almada acredita que o fato se dá pela influência da igreja no país. “Além do enorme peso da igreja católica, vocês também têm a popularidade da igreja evangélica”, diz. Na Argentina, existe uma melhor separação entre a igreja e o Estado. “No papel, somos países laicos, mas na prática, infelizmente, o catolicismo pesa nas decisões do Estado.”

“Espero que a Argentina abra um precedente para outros países da América Latina, porque obviamente não somos o único país em que as mulheres pobres morrem por abortar clandestinamente”

ADPF 442

A ministra Rosa Weber, relatora da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, convocou uma audiência pública para debater a criminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. O objetivo é que o STF exclua do Código Penal a interrupção da gestação induzida e voluntária nas primeiras 12 semanas.

Marina Ganzarolli diz que a decisão na Argentina é positiva para o Brasil. “O principal impacto é movimentar a esfera pública e o debate na mídia, na família e nas escolas sobre a necessidade de rever a política pública e o acesso aos direitos sexuais reprodutivos das mulheres.”

Dado o atual contexto político do Brasil, no entanto, Marina não acredita que esse direito seja conquistado neste momento. “O STF não quer se colocar na berlinda com tamanha instabilidade política e ainda não tem maioria para ampliar, legalizar e descriminalizar o aborto no Brasil.”

A advogada Vivian Ferreira, também integrante da deFEMde, destaca ainda a falta de tempo hábil para a aprovação de uma pauta como essa antes das eleições e o desinteresse do governo Temer na pauta. “A questão é bastante polêmica e o governo está em uma condição complicada do ponto de vista de legitimidade, com baixíssimo índice de aprovação. Não poderia correr o risco de perder o apoio dos setores conservadores, que o sustentam, a poucos meses do processo eleitoral”, diz.

A audiência pública será realizada no plenário da 1ª Turma do Supremo, nos próximos dias 3 e 6 de agosto, a partir das 8h40.

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Agencias de Modelos BH Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Selva Almada critica peso da religião em legalização de aborto no Brasil

Mulheres argentinas vão às ruas para protestar pela legalização do aborto no país (Foto: Getty Images)Mulheres argentinas vão às ruas para protestar pela legalização do aborto no país (Foto: Getty Images)

“Educação sexual para decidir, anticoncepcionais para não abortar, aborto legal para não morrer”. Foi sob essas palavras de ordem que 129 deputadas e deputados argentinos aprovaram a descriminalização do aborto no país.

Em votação acirrada, indefinida até os últimos minutos, o projeto de lei que defende a legalização da interrupção voluntária da gravidez até a 14ª semana passou pela Câmara dos Deputados, em Buenos Aires, e agora segue para o Senado. “Havendo aprovação no Senado, existe uma terceira instância, a sanção presidencial. O presidente Mauricio Macri já se pronunciou publicamente dizendo que não iria exercer seu direito de veto, mas não há como ter certeza até o fim do processo todo”, explica a advogada argentina Ana Casarin.

Macri tem dez dias para vetar. Se não o fizer, a lei deve ser publicada no Boletim Oficial e, se não for estipulado um prazo diferente no próprio texto, ela passará a ter vigência oito dias após a publicação. “Porém, para o efetivo exercício do direito, para que as mulheres possam ir na rede pública e ter acesso ao aborto num hospital público, de maneira gratuita e segura, a lei ainda precisa ser regulamentada”, esclarece Ana.

Em entrevista, a escritora argentina Selva Almada, que se opõe ao atual governo, disse que Macri fez o que qualquer governante deve fazer: colocar suas crenças pessoais de lado, abrir o debate, permitir que os cidadãos se pronunciem e que os legisladores trabalhem. “Não sei quais são suas razões mais íntimas, e também não me importo. Há algumas horas, 129 deputados votaram a favor da legalização do aborto graças à luta das mulheres nas ruas.”

Uma das convidadas da Feira Literária de Paraty (Flip) deste ano, Almada é autora do livro do livro Garotas Mortas (ed. Todavia, 128 págs., R$ 40,90), investigação sobre três feminicídios que ocorreram na Argentina logo após a redemocratização do país.  

A escritora argentina Selva Almada (Foto: Divulgação)A escritora argentina Selva Almada (Foto: Divulgação)

Mortes maternas

“A clandestinidade mata”, pontuou a deputada argentina Victoria Donda Perez na defesa de seu voto. Seu pensamento é amplamente difundido entre as mulheres do país, que fazem questão de reforçar que essa batalha já vem sendo travada há anos. “Nos últimos meses, o debate se deu aos gritos, em voz alta, mas não começou agora. Podemos dizer que agora tomou a sociedade. Todos e todas nos animamos a falar de algo que era um segredo aberto: o aborto existe, são 500 mil por ano, a questão é descriminalizá-lo”, defende Almada.

Segundo a Anistia Internacional, o aborto é a principal causa de morte materna (quando mulheres morrem durante ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou localização da gravidez) em 17 das 24 províncias argentinas.

“Apesar de a geração da vida exigir duas pessoas, os ônus da gravidez recaem única e exclusivamente sobre a mulher”, diz a advogada Marina Ganzarolli, fundadora da rede feminista de juristas deFEMde. A descriminalização da prática traria a “melhora dos índices de mortalidade materna e dos indicadores gerais de saúde sexual e reprodutiva das mulheres.”

Do lado de cá da fronteira

No Brasil, o aborto é crime para o qual existem três exceções: quando há risco de morte para a mãe, quando a gravidez é decorrente de estupro e em casos de feto anencéfalo. “Duas delas são legais, escritas no código penal. A terceira foi conquistada por jurisprudência, por decisão do Supremo Tribunal Federal”, explica Marina.

Todas as outras possibilidades são criminalizadas. “Isso faz com que agentes de saúde, médicos e enfermeiros tenham receio de realizar o procedimento, inclusive em casos legais. Muitos alegam objeção de consciência e não garantem a lei. Em alguns estados, essa é a primeira causa da morte materna, como por exemplo na Bahia, que é o estado com mais mulheres negras no Brasil.”

“O aborto já existe para mulheres brancas com privilégios econômicos. Então, quando a gente fala de direito ao aborto, fala de direito à vida”

Para ela, a questão ainda vai além da saúde pública e recai na liberdade e autonomia sobre o corpo. “Um dos mitos que envolvem o debate é que a legalização geraria um aumento no número de procedimentos, o que é a maior falácia do universo. Países que legalizaram o aborto e têm extensas pesquisas baseadas em evidências viram o número cair”, pontua.

Diferentemente da Argentina, pesquisas apontam que o tema do aborto divide opiniões entre a população brasileira, mas a maioria ainda é contra. Um levantamento do Latinobarômetro de 2015 aponta que 50,3% dos brasileiros defendem que o aborto “nunca é justificável”.

Brasileira também protestaram pelos direitos das mulheres em setembro de 2017 (Foto: Getty Images)Brasileira também protestaram pelos direitos das mulheres em setembro de 2017 (Foto: Getty Images)

Selva Almada acredita que o fato se dá pela influência da igreja no país. “Além do enorme peso da igreja católica, vocês também têm a popularidade da igreja evangélica”, diz. Na Argentina, existe uma melhor separação entre a igreja e o Estado. “No papel, somos países laicos, mas na prática, infelizmente, o catolicismo pesa nas decisões do Estado.”

“Espero que a Argentina abra um precedente para outros países da América Latina, porque obviamente não somos o único país em que as mulheres pobres morrem por abortar clandestinamente”

ADPF 442

A ministra Rosa Weber, relatora da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, convocou uma audiência pública para debater a criminalização do aborto até a 12ª semana de gestação. O objetivo é que o STF exclua do Código Penal a interrupção da gestação induzida e voluntária nas primeiras 12 semanas.

Marina Ganzarolli diz que a decisão na Argentina é positiva para o Brasil. “O principal impacto é movimentar a esfera pública e o debate na mídia, na família e nas escolas sobre a necessidade de rever a política pública e o acesso aos direitos sexuais reprodutivos das mulheres.”

Dado o atual contexto político do Brasil, no entanto, Marina não acredita que esse direito seja conquistado neste momento. “O STF não quer se colocar na berlinda com tamanha instabilidade política e ainda não tem maioria para ampliar, legalizar e descriminalizar o aborto no Brasil.”

A advogada Vivian Ferreira, também integrante da deFEMde, destaca ainda a falta de tempo hábil para a aprovação de uma pauta como essa antes das eleições e o desinteresse do governo Temer na pauta. “A questão é bastante polêmica e o governo está em uma condição complicada do ponto de vista de legitimidade, com baixíssimo índice de aprovação. Não poderia correr o risco de perder o apoio dos setores conservadores, que o sustentam, a poucos meses do processo eleitoral”, diz.

A audiência pública será realizada no plenário da 1ª Turma do Supremo, nos próximos dias 3 e 6 de agosto, a partir das 8h40.

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Agencias de Modelos BH Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Renata Banhara desabafa: “Meu marido me tirou do convênio por crueldade”

Renata Banhara fica sem convênio durante tratamento médico (Foto: Acervo pessoal)Renata Banhara fica sem convênio durante tratamento médico (Foto: Acervo pessoal)

Eu era casada e estávamos juntos desde 2012. Meu ex-marido foi um excelente companheiro e antes da minha doença a gente nunca brigava. Ele é politizado, estudado, muito fino e éramos uma família feliz: eu, ele, meus dois filhos e a  filha dele.

No final de 2015, comecei a sentir fortes dores de cabeça, até que em fevereiro de 2016, meu rosto derreteu, ficou deformado. Fui a um hospital e disseram que era uma alergia. Só em abril, no hospital Albert Einstein, após passar por diversos patologistas, fui diagnosticada com uma infecção generalizada causada por uma bactéria que estava alojada no dente.

Descobriram que um canal que fiz carregava uma infecção de bactérias há 7 anos. Ela se iniciou na raiz desse dente e ficou alojada no maxilar. Tem uma corrente de oxigenação que leva tudo para a cabeça, perto do cérebro, e levou as bactérias para todo lado.

Fui internada em estado gravíssimo e logo operaram o lado direito. No mesmo final de semana, o lado esquerdo da cabeça e o joelho também passaram por cirurgia. Essa bactéria gosta das juntas do corpo, então tive que fazer várias punções. No ano seguinte, foram idas e vindas do hospital, mas eu ia sozinha, de Uber. Minhas idas ao hospital eram tidas como frescura pelo meu ex-marido.

Fui operada às pressas e, quando voltei para casa, a primeira coisa que meu então marido fez foi jogar todos os remédios fora e dizer que eu não tinha nada. “Inclusive, estou com fome. Quero jantar”, disse ele em seguida. E eu fui para o fogão totalmente anestesiada. Fiz uma sopa para ele, levei na bandeja, com um guardanapo. Quando deitei na cama, ele falou: “Você não vai fazer comida para o seu filho?”. Voltei e fiz de novo. Ovos mexidos e pipoca.

Não comi, não jantei e deitei. Só estou tendo consciência disso agora, porque nunca falei para ninguém. Era eu que precisava de um banho, medicações e comida.

Meus filhos não sabiam de nada. Eles liam sobre a infecção na mídia e eu falava que era mentira, queria protegê-los. Meu filho mais velho estava na fase de prestar vestibular, não queria prejudicá-lo. O caçula foi morar com o pai, Frank Aguiar, quando fui internada pela primeira vez. Já a filha do meu ex foi morar com a mãe, nos Estados Unidos.

Minha doença matou a relação. Ele casou com a Renata Banhara que era útil para a filha dele, nas funções do lar, e nas questões femininas para a sobrevivência dele.

Os abusos eram de todos os tipos. Ele abriu as janelas e falou: “Pula”. Não encostou em mim, só falou para pular. “Você está muito triste”, ele dizia. Antes disso, me consultei com uma psiquiatra. As dores que eu sentia eram tantas que eu queria ir embora, mas não era um caso típico de suícidio.

Renata Banhara e o rosto inchado durante processos inflamatórios da infecção no rosto (Foto: Acervo pessoal)Renata Banhara e o rosto inchado durante processos inflamatórios da infecção no rosto (Foto: Acervo pessoal)

A psiquiatra explicou: como a dor era muito forte, nem os calmantes davam conta, era só o desejo de acabar com isso. Depois de mais de três meses com dor, o ser humano corta os neurotransmissores, a serotonina, toda a anfetamina, toda a alegria. Seu cérebro fica preto.

Eu me culpei muito por estar feia, deformada e por ter engordado, mas, quando não estava no hospital, colocava um pijaminha bonito, um brinquinho e fazia as tarefas do lar mesmo com a dor. Olho para trás e vejo que fui vítima de uma grande violência psicológica.

Renata em uma das internações no hospital Albert Einstein (Foto: Acervo pessoal)Renata em uma das internações no hospital Albert Einstein (Foto: Acervo pessoal)

No começo de 2018, fiquei sabendo por meio de funcionários da nossa casa que, quando eu ficava internada, ele levava uma outra mulher para lá. Eu não culpo a menina.

Depois de uns dias com o coração apertado, olhei nos olhos dele e contei que sabia. Em seguida, ele me deu um soco. Meu filho mais velho estava em casa e me protegeu das agressões. Foi ali que decidi me separar.

Meu ex-marido me tirou do convênio em um ato de crueldade

Descobri em janeiro de 2018, quando fui ao hospital, depois que ele me bateu. Primeiro passei no IML e segui para o pronto socorro, foi aí que avisaram que o convênio tinha sido cortado.

O SUS me atende normal: hospitais cheios e médicos tentando fazer milagre. São clínicos gerais que não atendem meu caso específico, mas me dão paliativos. A primeira vez que fui no pronto-socorro, um monte de gente postou na internet que meu lugar não era ali. Mas meu lugar é ali, sim. Estou desempregada, sem convênio e doente, tenho direito.

Tomo antibióticos, corticóides e calmantes. Tem muito líquido de 2015 para sair ainda, mas as bactérias estão voltando. O lado esquerdo do meu rosto está totalmente concretado. Fiquei com fibromialgia e tenho fortes crises de dor.

Eu sou ativista contra a violência doméstica há muitos anos, mas eu esqueci do principal: o 180. A violência psicológica é muito mais grave que a física. Minha violência física durou 1h40, a psicológica já dura há mais de dois anos e eu nunca vou esquecer. Aos 43 anos, sempre falando sobre violência, esqueci o principal: procurar ajuda.

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model

Renata Banhara desabafa: “Meu marido me tirou do convênio por crueldade”

Renata Banhara fica sem convênio durante tratamento médico (Foto: Acervo pessoal)Renata Banhara fica sem convênio durante tratamento médico (Foto: Acervo pessoal)

Eu era casada e estávamos juntos desde 2012. Meu ex-marido foi um excelente companheiro e antes da minha doença a gente nunca brigava. Ele é politizado, estudado, muito fino e éramos uma família feliz: eu, ele, meus dois filhos e a  filha dele.

No final de 2015, comecei a sentir fortes dores de cabeça, até que em fevereiro de 2016, meu rosto derreteu, ficou deformado. Fui a um hospital e disseram que era uma alergia. Só em abril, no hospital Albert Einstein, após passar por diversos patologistas, fui diagnosticada com uma infecção generalizada causada por uma bactéria que estava alojada no dente.

Descobriram que um canal que fiz carregava uma infecção de bactérias há 7 anos. Ela se iniciou na raiz desse dente e ficou alojada no maxilar. Tem uma corrente de oxigenação que leva tudo para a cabeça, perto do cérebro, e levou as bactérias para todo lado.

Fui internada em estado gravíssimo e logo operaram o lado direito. No mesmo final de semana, o lado esquerdo da cabeça e o joelho também passaram por cirurgia. Essa bactéria gosta das juntas do corpo, então tive que fazer várias punções. No ano seguinte, foram idas e vindas do hospital, mas eu ia sozinha, de Uber. Minhas idas ao hospital eram tidas como frescura pelo meu ex-marido.

Fui operada às pressas e, quando voltei para casa, a primeira coisa que meu então marido fez foi jogar todos os remédios fora e dizer que eu não tinha nada. “Inclusive, estou com fome. Quero jantar”, disse ele em seguida. E eu fui para o fogão totalmente anestesiada. Fiz uma sopa para ele, levei na bandeja, com um guardanapo. Quando deitei na cama, ele falou: “Você não vai fazer comida para o seu filho?”. Voltei e fiz de novo. Ovos mexidos e pipoca.

Não comi, não jantei e deitei. Só estou tendo consciência disso agora, porque nunca falei para ninguém. Era eu que precisava de um banho, medicações e comida.

Meus filhos não sabiam de nada. Eles liam sobre a infecção na mídia e eu falava que era mentira, queria protegê-los. Meu filho mais velho estava na fase de prestar vestibular, não queria prejudicá-lo. O caçula foi morar com o pai, Frank Aguiar, quando fui internada pela primeira vez. Já a filha do meu ex foi morar com a mãe, nos Estados Unidos.

Minha doença matou a relação. Ele casou com a Renata Banhara que era útil para a filha dele, nas funções do lar, e nas questões femininas para a sobrevivência dele.

Os abusos eram de todos os tipos. Ele abriu as janelas e falou: “Pula”. Não encostou em mim, só falou para pular. “Você está muito triste”, ele dizia. Antes disso, me consultei com uma psiquiatra. As dores que eu sentia eram tantas que eu queria ir embora, mas não era um caso típico de suícidio.

Renata Banhara e o rosto inchado durante processos inflamatórios da infecção no rosto (Foto: Acervo pessoal)Renata Banhara e o rosto inchado durante processos inflamatórios da infecção no rosto (Foto: Acervo pessoal)

A psiquiatra explicou: como a dor era muito forte, nem os calmantes davam conta, era só o desejo de acabar com isso. Depois de mais de três meses com dor, o ser humano corta os neurotransmissores, a serotonina, toda a anfetamina, toda a alegria. Seu cérebro fica preto.

Eu me culpei muito por estar feia, deformada e por ter engordado, mas, quando não estava no hospital, colocava um pijaminha bonito, um brinquinho e fazia as tarefas do lar mesmo com a dor. Olho para trás e vejo que fui vítima de uma grande violência psicológica.

Renata em uma das internações no hospital Albert Einstein (Foto: Acervo pessoal)Renata em uma das internações no hospital Albert Einstein (Foto: Acervo pessoal)

No começo de 2018, fiquei sabendo por meio de funcionários da nossa casa que, quando eu ficava internada, ele levava uma outra mulher para lá. Eu não culpo a menina.

Depois de uns dias com o coração apertado, olhei nos olhos dele e contei que sabia. Em seguida, ele me deu um soco. Meu filho mais velho estava em casa e me protegeu das agressões. Foi ali que decidi me separar.

Meu ex-marido me tirou do convênio em um ato de crueldade

Descobri em janeiro de 2018, quando fui ao hospital, depois que ele me bateu. Primeiro passei no IML e segui para o pronto socorro, foi aí que avisaram que o convênio tinha sido cortado.

O SUS me atende normal: hospitais cheios e médicos tentando fazer milagre. São clínicos gerais que não atendem meu caso específico, mas me dão paliativos. A primeira vez que fui no pronto-socorro, um monte de gente postou na internet que meu lugar não era ali. Mas meu lugar é ali, sim. Estou desempregada, sem convênio e doente, tenho direito.

Tomo antibióticos, corticóides e calmantes. Tem muito líquido de 2015 para sair ainda, mas as bactérias estão voltando. O lado esquerdo do meu rosto está totalmente concretado. Fiquei com fibromialgia e tenho fortes crises de dor.

Eu sou ativista contra a violência doméstica há muitos anos, mas eu esqueci do principal: o 180. A violência psicológica é muito mais grave que a física. Minha violência física durou 1h40, a psicológica já dura há mais de dois anos e eu nunca vou esquecer. Aos 43 anos, sempre falando sobre violência, esqueci o principal: procurar ajuda.

Assuntos sobre modelos e agencias de modelos na web: Agencias de modelos Melhores agencias de modelos Altura necessária para as modelos Como entrar para uma Agencia de Modelos Agencias de Modelos Brasileiras Agencia de Modelos do Brasil Lista de Agencias de Modelos Brasileiras Matérias sobre Modelos e o mundo da moda Lista de Agencias de Modelos Modelos Masculinos SPFW Revista Epoca Vogue Empório Armani Online Lista de Agencias de Modelos Agencias de Modelos Agencias de modelos famosas Principais Agencias de Modelos Melhores Agencias de modelos do Brasil Agencias de Modelos do Brasil Linksweb Neoplanos Agentes do Alem 3ICAP Premio de Moda AnuarioTI Governo Estadão – Caderno de Moda Beleza, Moda e Agencias de Modelos do Brasil Mural Fashion ID Porto Alegre Fashionlines Balenciaga Pebblebeb Sweetyus O Povo Hubblo Informações sobre agencias de modelos Informações sobre agencias de modelos e modelos Agencias de Modelos e Top Models Modelos, Agencias de Modelos e Bastidores da Moda Modelos, Agencias de Modelos e Moda Agencias de Modelos, Agencias de Moda do Brasil, Top Models, Modelos Femininos, Modelos Masculinos Vulnerável e Oscilante Moda, Modelos e Agencias de Modelos Agencias de Modelos e Top Models UOL Estilo G1 Moda Jornal O Globo Folha S.Paulo Principais Agencias de Modelos do País: FORD MODELS, MEGA MODEL BRASIL, MAJOR MODEL , LEQUIPE AGENCE, Way Model